Gestão Esportiva
02/06/2017
Por PAULO PINTO | Fonte IMPRENSA/CBJ | Fotos BUDOPRESS/CBJ
Rio de Janeiro - RJ

Daniel Dell’Aquila na sala da presidência do Clube Paineiras do Morumby

Em eleição realizada nos dias 29 e 30 de maio, Daniel Dell'Aquila foi eleito representante dos clubes no conselho técnico da Confederação Brasileira de Judô (CBJ), com 86 votos, o que representa 47,30% do total. Ex-atleta da seleção brasileira de judô, Dell'Aquila, é médico ortopedista com especialização em ombros e joelhos, professor titular da USP e presidente do Clube Paineiras do Morumby, de São Paulo (SP). Além de tricampeão pan-americano, foi medalhista de prata nos Jogos Pan-Americanos de Mar Del Plata em 1995 e é membro ativo do Instituto Kodokan do Brasil.

Floriano Almeida, técnico do Minas Tênis Clube (MG), ficou em segundo lugar na eleição, com 34 votos (18,70%), e Geraldo Bernardes, técnico do Instituto Reação (RJ), ficou em terceiro lugar, com 29 votos (15,90%).

O pleito foi efetuado por meio da plataforma digital Zempo de acordo com os critérios estabelecidos pelo edital de eleição para representante de clubes veiculado no dia 9 de maio.

Representando o Clube Paineiras do Morumby, Aexandre Lee, Maurício Cataneo e Daniel Dell'Aquila participaram da assembleia geral eletiva que conduziu Sílvio Acácio à presidência da CBJ

Sílvio Acácio Borges, presidente da CBJ, elogiou o processo eletivo inédito, que teve a participação de sete candidatos.

“Esta foi a primeira vez que promovemos uma eleição para definir representante dos clubes para o conselho técnico da CBJ. Uma vitória com quase a metade dos votos é sempre muito emblemática, mas o pleito atraiu nomes expressivos, que elevaram a importância do cargo que estava em disputa. Como gestor da CBJ agradeço a todos que se empenharam para participar do processo de democratização da judô brasileiro.”

Na avaliação do presidente da CBJ, a vitória de Dell'Aquila reflete o comprometimento de um desportista que sempre perseguiu grandes conquistas.

“Nos tatamis o Daniel Dell'Aquila foi um grande atleta e possui um currículo belíssimo. Em sua vida pessoal tem sido um grande judoca, no sentido de buscar sempre promover o benefício mútuo. Hoje ele é um grande cirurgião, mas o judô jamais saiu de sua agenda, e por todos os seus predicados damos boas-vindas ao Daniel”, disse o dirigente.

Daniel Dell’Aquila e Paulo Wanderley Teixeira, seu ex-técnico na seleção brasileira durante a assembleia eletiva da CBJ realizada em março

Paulo Wanderley Teixeira, ex-presidente da CBJ e atual vice-presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), lembrou a trajetória de Dell’Aquila na seleção brasileira.

“Meu comentário sobre a eleição do Daniel Dell’Aquila se deve à minha aproximação a sua carreira nos tatamis. Como técnico da seleção brasileira vivenciei a trajetória de um grande judoca que sempre dividiu a paixão pelo judô com sua formação como médico ortopedista”, disse o dirigente, que também enfatizou a permanência de Dell’Aquila nos tatamis.

“Além de inúmeros títulos continentais, o Daniel obteve um feito extraordinário na época, conquistando o quinto lugar no campeonato mundial de 1991, realizado em Barcelona, na Espanha. Até hoje demonstra a mesma paixão pelo judô, vestindo o judogi regularmente e estando envolvido com a equipe do Paineiras do Morumby, o clube que preside. Tenho certeza de que os clubes brasileiros serão muito bem representados no próximo quadriênio”, diagnosticou o vice-presidente do COB.

O conselho técnico é formado por representantes de diferentes classes da comunidade do judô. Os atletas elegeram Rafael Silva e Érika Miranda. Já as federações, os árbitros e os técnicos farão suas escolhas em breve.

Além do conselho técnico, os atletas têm outros dois níveis de representação dentro da gestão administrativa da Confederação Brasileira de Judô. Luciano Corrêa foi escolhido para representá-los na assembleia eletiva, com direito a voto nas eleições presidenciais. Em adição, existe também a comissão de atletas, formada por sete judocas: Rafaela Silva, Sarah Menezes, Mayra Aguiar, Mariana Silva, Henrique Guimarães, Victor Penalber e Rafael Silva. 

Sensibilizado pela conquista, o tricampeão pan-americano explicou por que aceitou mais este desafio na gestão esportiva.

“Decidi participar do pleito para poder devolver ao judô tudo que me foi oferecido em termos de filosofia de vida e formação pessoal. Sou eternamente grato por tudo que vivenciei nos tatamis em minha infância e juventude. Credito ao judô minha posição hoje, na gestão esportiva e principalmente na vida profissional, em que atuo como cirurgião e professor na faculdade de medicina da USP. Foi o judô que me disponibilizou acesso a tudo isto. Sou grato, e quero que o maior número de pessoas tenha acesso ao judô”.

Representantes dos atletas e clubes com a diretoria da CBJ eleita para este quadriênio

Para o professor de medicina esportiva da USP sua eleição para o cargo representa a possibilidade de devolver à sociedade, tudo que o judô lhe proporcionou.

“Militei no judô desde a infância. Mais tarde cheguei ao alto rendimento e conquistei inúmeras medalhas para o nosso País, numa época na qual todos nós vivíamos enormes dificuldades para poder viajar e competir na Europa e demais continentes. Vejo o grau de aprimoramento e desenvolvimento que a nossa modalidade alcançou hoje, e me sinto na obrigação de colaborar no processo de um desenvolvimento ainda maior do judô brasileiro”, projetou Dell’Aquila.

Eleito para o próximo quadriênio, Daniel Dell’Aquila visa a um mandato respaldado pelos colegas que participaram do pleito.

“Respeito e reverencio todos os professores que participaram deste pleito e agradeço os votos recebidos. Desejo poder contar com os senseis Bernardes, Floriano e todos os professores inseridos no pleito no processo de condução dos interesses dos clubes perante a CBJ. Minha meta pessoal é definir o que os clubes podem fazer pelo judô, não apenas no que o judô poderá oferecer aos clubes”, disse.