Seleção Brasileira De Taekwondo
10/04/2017
Por MÔNICA RAMOS/GLOBOESPORTE.COM | Fotos REPRODUÇÃO/FACEBOOK
Rio de Janeiro - RJ

O mineiro Maicon Andrade começou bem o novo ciclo olímpico rumo a Tóquio 2020. Medalha de bronze na Rio 2016, o lutador garantiu na sexta-feira (07) o seu lugar no Mundial de taekwondo que acontece em junho, na Coreia do Sul. A classificação aconteceu com o título do Grand Slam, seletiva nacional realizada no Centro de Educação Física Almirante Nunes, o Cefan. Lutando na categoria +87kg, Maicon começou sua caminhada já nas semifinais e venceu as duas lutas para confirmar a vaga.

Na estreia, ele bateu Philip Izidoro, do Acre, por 20 a 1 em dois rounds. Na decisão, pegou o carioca Allif Gomes, uma promessa que veio da categoria júnior, e venceu também, agora por 24 a 3, em três rounds. Os tatames usados na competição foram os mesmos dos Jogos Olímpicos. Maicon se emocionou quando chegou para competir e percebeu que eram os mesmos tatamis.

Medalha nos Jogos Rio 2016 não mudou vida de Maicon

A medalha de bronze, a primeira brasileira do taekwondo conquistada entre os homens, parece uma conquista bem distante. Nem tanto pelos sete meses desde a vitória nos Jogos do Rio, mas especialmente pelo longo e árduo caminho que Maicon Andrade tem percorrido para começar um novo ciclo olímpico. Com os problemas que a Confederação Brasileira de Taekwondo vem enfrentando relacionados a suspeitas de superfaturamentos e fraudes que provocaram uma intervenção na entidade, as competições nacionais foram adiadas e prejudicaram, por consequência, a participação dos atletas em competições internacionais.

- A confederação se fechou, não tive acesso às competições internacionais. Eu teria a possibilidade de ir a 10 delas e fiquei de fora de todas. A CBTKD tinha que mandar o atleta pra fora e não mandou. Os atletas estrangeiros, que disputaram os jogos e são os melhores do mundo, estão indo às competições e isso faz com que já tenha aumentado a distância de ranking entre nós. Eu poderia estar batendo de frente e somando pontos para o ranking - reclama Maicon Andrade.

A seletiva nacional para o campeonato mundial, principal competição para o medalhista este ano, era para ter acontecido em fevereiro e só agora, em abril, está sendo disputada. Para o técnico de Maicon, Reginaldo dos Santos, essa desorganização prejudica muito o planejamento dos treinamentos.

- Teremos pouco tempo pra treinar pro mundial, que já é em junho.

Para agravar a situação, a medalha não trouxe a visibilidade e os patrocínios que Maicon esperava.

- Depois dos Jogos Olímpicos, a gente tinha a meta de melhorar a visibilidade. Achávamos que os patrocinadores iriam entrar, que a confederação iria melhorar, e não aconteceu nada disso. Não só não mudou nada, como ainda atrapalhou e comprometeu o meu ciclo - disse o lutador.

Mesmo com tantos problemas para administrar fora dos tatamis, Maicon segue confiante. Um representante do Comitê Olímpico Brasileiro fez uma visita a São Caetano, onde treina o atleta, para se inteirar da atual situação do esporte.

- Foi a primeira oportunidade de mostrar a nossa realidade. Tivemos uma reunião importante, discutimos sobre metas, conquistas, objetivos”, comentou Reginaldo. O resultado dessa visita foi a confirmação do apoio do COB à preparação de Maicon e participação em competições internacionais. Um justo apoio a um medalhista olímpico.